O que é

   A automação comercial consiste na informatização e integração das operações internas da empresa e em suas relações com fornecedores, bancos, prestadores de serviços e clientes. O uso de terminais eletrônicos (PDVs) nos caixas e leitores de código de barras é apenas uma parte do sistema.

   Na primeira etapa, o processo de automação traz saídas imediatas para problemas operacionais. Com o uso dos equipamentos, a empresa consegue maior controle de custos, de estoque, da entrada e saída de produtos e identifica os materiais de menor giro, a validade dos artigos, etc.

   A fase seguinte da automação está na percepção do empresário de como utilizar as informações coletadas pelo sistema para, por exemplo, aproximar-se dos clientes. "Ter controle do que é comprado e por quem é um dado valioso que pode trazer benefícios a curto prazo na empresa."

   Por meio de mala direta, promoções dirigidas e melhor distribuição dos produtos nas lojas, registram-se aumento nas vendas e ganhos no atendimento ao cliente. Incorporando essa tecnologia ao seu dia-a-dia, o empreendedor também passa a conhecer melhor o seu negócio. O passo seguinte é o uso da automação para o planejamento.

Segundo alguns consultores, uma empresa pode demorar de seis meses a dois anos para passar por todas essas etapas.

Custos

   Levantamento realizado pela EAN Brasil mostra que o investimento médio por check-out (caixa) era de R$ 2,2 mil, em 1996. A mesma pesquisa indica que, em 1990, quando a procura por esses equipamentos começou a crescer no Brasil, o preço médio era de R$ 8 mil. Uma impressora Compacte de código de barras, por exemplo, custa hoje US$ 750,00 (fevereiro de 99).

   O consultor Milton dos Santos, da MCon Consultoria, que se especializou na área de Informática, calcula que, para pôr em prática o processo de automação em uma empresa de pequeno porte, o empreendedor gaste em média R$ 15.000,00 (quinze mil reais). Esse valor incluiria uma consultoria externa, o que, de acordo com Santos, corresponde a 70% dos gastos.

   Ele observa que a automação exige, por exemplo, treinamento de pessoal e incorporação de uma nova rotina na empresa. "Não adianta se preocupar apenas com os equipamentos", comenta. "Eles são somente um instrumento para realizar o que o empreendedor tiver planejado antes de fazer qualquer compra." Para facilitar o acesso dos pequenos empresários aos fornecedores de equipamentos para automação, a EAN Brasil distribui gratuitamente um catálogo com os principais itens comercializados por empresas do ramo em todo o Brasil. O Guia Nacional de Fornecedores de Equipamentos e Serviços para Automação pode ser solicitado pelo DDG (0800-110789) ou pelo endereço eletrônico www.eanbrasil.org.br. A EAN Brasil publica também o Guia de Referência - Como Automatizar sua Loja, que traz informações a respeito dos benefícios desse processo para a empresa, as dificuldades na adoção da automação comercial e um roteiro com dicas para colocar o sistema em prática.

   O uso do código EAN proporciona uma linguagem comum entre parceiros comerciais. O sistema facilita a identificação de mercadorias, padroniza as exportações e o EDI (Intercâmbio Eletrônico de Dados), isto é, a comunicação entre parceiros comerciais através de computadores. O uso do código EAN gera benefícios para a indústria, o comércio e os consumidores, desenvolvendo segurança no recebimento, controle de estoque e gestão de preços, através de informações rápidas e precisas.

   O fabricante de produtos deve-se filiar à Associação Brasileira de Automação Comercial (ABAC) para obter a concessão de uso dos dígitos de país e fabricante. Após receber as numerações da ABAC, a empresa deve elaborar os dígitos de produtos. De posse da numeração completa, as barras são obtidas através de um "filme master" (ou fotolito do código de barras) ou de impressoras automáticas de códigos de barras.

Legislação específica

   O Decreto-Lei nº 90.595, de 29/11/94, da Presidência da República, instituiu, no Brasil, o Código Nacional de Produtos, também conhecido como Código de Barras EAN, administrado pela International Article Numbering Association - EAN International, com sede em Bruxelas, Bélgica.

Fonte: SEBRAE

Volta para página inicial